Pesquisar neste blogue

A carregar...

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Algarve Impressionista + 30º

Às voltas com a história da fotografia...
O Algarve Impressionista constrói-se de arrastamentos, sombras e movimentos, cor e luz experimentalista, grandes planos simbólicos e fundos suaves.
Como se o calor distorcesse qualquer perceção realista.
Olhar para...em vez de através de...






























domingo, 5 de julho de 2015

Encalhados



Geração é um conceito artificial, porque não há espaços perdidos ou tempos mortos.
Mas X é a primeira reconhecida como especial.
E aproveitámo-nos da amplitude do conceito para roubar aos nossos pais, tão comprometidos que eles estavam com o estado protetor.
Entregaram-nos a liberdade mesmo antes de nós sabermos o que fazer com ela.
Crescemos na sombra e sonhámos em toda a sua amplitude. Havia um modelo e por isso fomos sôfregos e renegámos a ideia do império do mar. Também com o tempo fomos percebendo que, se procurávamos a glória marítima, também já não era este o mar que interessava.
E a identidade cultural era pois continental, a herança dos princípios e do direito da antiguidade clássica.
Infelizmente longe, mais tarde redenominada periferia
Vinte e quatro horas de comboio pelos planaltos de Espanha.
A liberdade deu-nos mundo, colocou-nos na rota da criatividade e, esta, voltou a dar-nos mundo, agora felizes por cabermos no berço da sociedade humanista.
E saltámos diretamente para a época do pretensamente pós-industrial
E a aspiração tornou-se sôfrega e a aritmética da abundância não cumpriu as regras dos nove fora.
Demasiado grande que se entorna na nossa curta perceção de existência.
O (ter) mundo acentuou a desigualdade nas perceções e nas oportunidades, entre as aspirações e a capacidade, o querer e o poder.
E fizemos nascer as duas últimas letras do abecedário: Y e Z
Gerações quebradas a meio, pelas escolhas da liberdade?
Hoje debatemo-nos pois entre dois ícones da geração dos cinquenta anos mais tarde: raízes e identidade
Entre um triângulo previsível e um conjunto de equações de múltiplas variáveis, sobrevoou-se apressadamente a liberdade, o sonho e a procura do indivíduo.
A idade e a aritmética pesam e alguns de nós procuram dar sentido à próxima geração.

Será possível encontrar um qualquer ponto comum que os una em torno da procura de novas raízes pelo mundo e da descoberta de uma nova identidade no nosso espaço?

Hoje, subitamente, recomecei a ter dúvidas
Especialmente hoje! 

Small Fountains (ou os despojos do Santo João)

Ainda cheira a restos de fogo
Queimam ainda os restos da sardinha
As gaivotas sobrevoam as espinhas e as peles
As ruelas regressam ao seu estado salobro
Inclinadas, sombreadas de uma pedra sem ornamentos nem fitas coloridas
O silêncio é apenas cortado pelos sons dos pequenos guardiões dos pátios que empunham metralhadoras de água mas que se rendem com uma festa na cabeça
Incondicionalmente
O fumo vai-se impregnando na pedra
As vizinhas voltam a trocar conversas
A roupa volta a estender-se ao Sol
E as mentiras passam a ser inscritas como verdades
Fontainhas, made in Douro